2 de mar de 2008

Duas Vezes

Olá!!!
Essa poesia da Christina Rossetti tem em um livro que eu gosto muito. Espero que gostem também da poesia.
Bjos

Duas Vezes
Levei meu coração na mão
(oh! meu amor, oh! meu amor)
Eu disse: caía ou fique em pé
Viva eu ou morra eu,
Mais uma vez, esta vez só, ouve o que digo-
(oh! meu amor, oh! meu amor)
Contudo as palavras de uma mulher são frágeis
Tu é que devias falar, não eu.
Tomaste meu coração em tua mão.
Com um sorriso de amigo,
Com olho crítico o sondaste
E depossitaste no lugar.
Disses: ainda não amadureceu
Melhor aguardar algum tempo
Espera, enquanto os pássaros cantam,
Até o milho virar semente.
Ao deixá-la, o coração partiu-
Partiu mas não gemi;
Sorri com tuas palavras,
Com o juizo que de ti ouvi;
Mas não tenho sorrido muito desde então,
Nem visto as flores do campo,
Nem com as aves tenho eu cantando.
Toma o coração na minha mão.
Oh! meu Deus, oh! meu Deus
Meu coração partido na minha mão;
Tudo vês, tudo tens julgado.
Minha esperança fora escrita na areia,
Oh! meu Deus, oh! meu Deus
Agora, que teu juizo permaneça-
Sim, julga-me agora.
Este coração condenado por um homem,
Maculado um dia por desatenção,
Toma tu este coração a sondar,
Tanto dentro como fora;
Apura com o fogo o seu ouro,
Purifica o seu refugo-
Contudo segura-o em tua mão,
De onde ninguém poderá arrebata-lo
Tomo meu coração em minha mão-
Não morrerei, mas hei de viver-
Perante a tua face estou
Pois chamaste os tais.
Tudo que tenho eu trago,
Tudo que sou te entrego
Sorri e eu cantarei,
Sim muito de nada indagar.
Christina Rossetti